19/04/2018

Uma nova Era



Mudanças são muito bem vindas. Nem sempre são fáceis como vos contei há alguns posts atrás, quando me mudei de Lisboa para o Algarve, mas há alturas em que parece que se a mudança não for feita vamos morrer sufocados numa incógnita agonizante.

E é por isso que decidi fazer algumas mudanças aqui no blog: o Diário de Uma Africana passou a ser somente Uma Africana.

Sim, o nome do blog mudou, ligeiramente. A palavra "diário" já não me dizia muito e como o meu user do instagram (@umafricana) acabou por vingar e se tornar de facto uma marca eu resolvi estender isso para o blog.

Mas para além da pequena mudança há também um  pequeno upgrade, uma pequena (grande) vitória: um domínio próprio.



O novo endereço do blog é www.umafricana.com. Mais clean, mais profissional e mais fácil de memorizar! I'm so fucking glad! 

Finalmente pude comprar um domínio para este cantinho que tem feito as minhas alegrias desde 2013. Ando a sonhar com este pequeno investimento desde 2014, quando comecei a levar a coisa de ser blogger mais a sério, e hoje, finalmente, consegui. Para muitos pode parecer um exagero eu estar tão tão feliz com esta conquista, até porque o valor de um domínio não é nada por aí além, mas a verdade é que por muito tempo não tive como investir financeiramente neste projeto e por isso aproveitei ao máximo os recursos que tinha. Não falo só do domínio, mas também do layout por exemplo.  E agora sinto que está na hora de dar estes passos mais largos para ser mais bem sucedida na jornada em busca da realização dos meus objetivos.

É o começo de uma nova fase, uma nova era. E ainda há muito mais por acontecer, stay tunned! 

NOTA: Comprei o meu domínio no site amen.pt, uma empresa portuguesa. Farei um post a explicar o processo de compra, como foi feita a migração e quais os pros e contras de comprar um domínio. Entretanto se tiverem dúvidas, aproveitem para as deixar aqui ou no meu insta @umafricana para que as possa incluir no post.

O que acharam da mudança? Preferiam o nome antigo ou aprovam este? Quem aí já passou por uma situação destas?

23/02/2018

Porque não uso soutien?

(foto retirada do Google, não sou eu)

Faz mais de um ano que não uso soutien.

E não uso por uma razão simples: não me faz falta. É a coisa mais inútil do mundo, para mim. Mais do que militância, resistência, ou o que quer que seja, é uma escolha. A minha escolha. E uma das minhas maiores provas de autoaceitação.

Durante uns bons anos, fora todas as minhas outras inseguranças,  o facto de não ter seios grandes foi um dos meus maiores pesadelos.

Quando tinha uns 12 anos e via que todas as minhas colegas e amigas já tinham seios minimamente grandes e eu era lisa que nem uma tábua, aquilo afligiam-me de uma forma surreal. Eu passava a vida a comparar os meus seios com os das outras meninas, a crucificar-me sempre que uma menina mais nova que eu tinha seios mais avantajados. E também me lembro de um dia decidir comprar o meu primeiro soutien, fossem aqueles malditos seios finalmente aparecer se assim o fizesse. Bom, não era bem um soutien, era mais um topzinho desportivo para pitas de 12 anos como eu. Mas, de alguma forma aquilo fazia-me sentir mais reconfortada, mais ""mulherzinha"".

Desses pseudo soutiens, passei para aqueles com enchimento e aro, para os seios parecerem um pouco maiores por baixo da roupa. Chegava a dormir de soutien todos os dias, porque alguém um dia me disse que isso estimulava os crescimento das mamas. Desde então dormia com soutien todos os dias, religiosamente, e esperançosa de que isso acontecesse, mesmo que às vezes aqueles malditos aros me deixassem desconfortável.

Aos 18 anos e ainda com seios quase inexistentes, eu FINALMENTE aceitei. Já não era um problema para mim. ADORO os meus seios pequenos, genuinamente!

Mas bem, não me vou alongar muito sobre esse assunto neste post, porque já escrevi outro (na verdade escrevi dois, um sobre como aceitei os meus seios pequenos, e um outro sobre as vantagens de ter seios pequenos) e não quero ser repetitiva.

Depois disso, por pouco mais de um ano lá continuei a usar soutien, de forma automática, sem nem questionar isso. Até que um dia qualquer no inverno, por esquecimento, me vesti sem usar soutien, e fui assim para a escola. Senti-me tão confortável que nem me apercebi que não tinha soutien, só quando cheguei a casa. Foi muito engraçado e curioso. Comecei por deixar os soutiens de parte com cada vez mais frequência nesse inverno e foi a melhor coisa que fiz.

No verão é que o processo foi mais lento. Porque  com o calor usamos poucas roupas, e, no meu caso, muitas delas justas, coladas ao corpo. O que me deixava (e ainda deixa) receosa, em relação aos olhares de desaprovação ou de malícia que poderia receber por causa dos mamilos que as vezes ficam super visíveis. Mas para isso arranjei uma solução: fita cola. Um pouco contraditório no que toca à minha posição, mas infelizmente o mundo é um adolescente de 13 anos que acabou de ganhar a sua primeira Playboy. Então, muitas vezes, a fita cola é ainda é a minha grande aliada. 

Isto para dizer que: não sinto falta nenhuma de usar um soutien. E isso deveria ser algo tão normal e socialmente aceitável como usar.

Não demonizo os soutiens. Sei que eles podem ser uns verdadeiros aliados para muitas mulheres,  pois ajuda a sustentar o peso dos seios para não sentirem dor, e para outras é um simples acessório que as permite sentirem-se mais bonitas. E tudo isso é completamente válido. Não querer usar soutien também o deveria ser! Não quero alimentar um outro padrão, só quero ter a minha liberdade de escolha.

E olhem, eles não são perfeitos como nas revistas ou em vídeos porn, mas eu gosto deles exatamente assim. Existem seios de todos os formatos e feitios,  temos de desconstruir essa ideia de que só existe um tipo de peito, e que só esse é normal. That's not true!


Não deixei de usar soutiens a 100%, mas garanto-vos que 99% das vezes, não uso (os que deixa as pessoas levemente chocadas sempre que o afirmo em voz alta). Os únicos que agora sou bem capaz de usar são aqueles strappy bra, acho os de renda super lindos, e ficam muito bem por baixo da roupa!

Sou uma pessoa que se permite mudar de opinião de tempos a tempos, isso faz parte do crescimento e da construção do ser humano pelo que se algum dia sentir necessidade de voltar a usar soutien, vou fazê-lo.


***
Gurls, vocês usam soutien? Há algum outro hábito, acessório etc, socialmente enraizado que vocês não façam/usem? xx

sutiã em crochet para mulheres

18/02/2018

5 motivos para ver Black Panther agora!



Ontem fui ver Black Panther ao cinema e a criança dentro de mim não podia estar mais feliz. É o primeiro filme protagonizado por um herói africano e um elenco praticamente negro. Acho que só isso já é motivo suficiente para que ele seja assistido por toda a gente, mas ainda assim, eu dar-vos-ei mais 5!


1. PRODUÇÃO

O filme está muito, muito incrível, em vários aspetos. A cinematografia impecável, cenários e efeitos especiais muito realistas, a construção de cada personagem está muito bem feita, e os figurinos estão on point. Adorei a forma como mesclaram a alta tecnologia e a cultura ocidental com as culturas mais tradicionais e africanas. Há imensos trajes, rituais e músicas que nos situam e contextualizam na perfeição ao longo filme. Nada forçado nem em demasia, simplesmente perfeito e na medida certa.


2. ENREDO

A história é muito boa e envolvente. Não acompanho nada de heróis da Marvel ou DC, confesso que nunca tive grande interesse até ao lançamento de Black Panther. Mas já estou a tratar disso, de ontem para hoje tenho pesquisado bastante sobre a ligação entre todos esses heróis e estou a gostar de conhecer mais desse universo.


Mas resumindo o enredo: Após a morte do pai, T'Challa regressa ao reino de Wakanda com o fim de assumir a liderança e proteger o seu povo. Wakanda é uma nação (fictícia) altamente desenvolvida, tecnológica e secreta em África. Wakanda tem uma enorme fonte de Vibranium, cujos cidadãos usam para desenvolver alta tecnologia e para se isolarem do resto do mundo, fingindo ser um pais pobre, de "terceiro mundo". Mas ao regressar e depois de ser aclamado como novo rei, T'Challa é confrontado com um novo problema: alguém está a planear acabar com a paz em Wakanda revelar a sua existência ao mundo.
Não contei um terço da história para não perder a graça para quem for assistir ao filme, mas há muito mais para além disto! Just go watch it.


3. GIRL POWER

As mulheres BRILHARAM com muita fé em Black Panther. Umas verdadeiras heroínas que não precisam de um príncipe encantado que as venha salvar. Fiquei muito feliz por vê-las ocupar espaços que à partida só são ocupados por homens, e também por não existir toda aquela rivalidade e tensão entre mulheres a que estamos tão (mal) habituados. Adorei a presença de todas, mas as minhas favoritas foram sem dúvida a Okye, a Shuri e a Nakia.



Okye (Danai Gurira, a nossa Michonne de The Walking Dead) é a líder de Dora Milaje, um grupo de mulheres guerreiras de Wakanda. Ela é super corajosa e determinada, não pensa duas vezes antes de agir perante qualquer perigo eminente e é muito fiel ao povo de Wakanda. Nakia (Lupita maravilhosa Nyong'o) é uma espiã muito inteligente e perspicaz, inclusive logo no início do filme vê-mo-la a tentar salvar um grupo de mulheres escravizadas na Nigéria. E Shuri (Letitia Wright, também protagonista do último episódio da 4a temporada de Black Mirror) é a princesa pela qual eu esperei a minha vida inteira. A jovem de 16 anos é simplesmente brilhante, bem humorada, inteligente, e trabalha como designer de alta tecnologia para Wakanda, sendo que criou um dos fatos que o seu irmão T'Challa (e Black Panther) usa no filme.


4. TRILHA SONORA

A trilha sonora é 5 estrelas e é toda produzida por Kendrick Lamar, contando com várias colaborações de outros artistas. A playlist com todas as músicas do filme está disponível no Spotify. Neste artigo vocês podem ler uma análise detalhada de todas as músicas do álbum e como eles complementam o filme. A minha música favorita é, sem dúvida "All the Stars", cantada por Kendrick Lamar e SZA. Inclusive vale MUITO a pena verem o videoclipe da música por que está uma verdadeira obra de arte!


5. REPRESENTATIVIDADE

E claro, não posso deixar de falar da riqueza que foi a enorme representatividade negra em Black Panther. Fiquei muito feliz por incluírem homens e mulheres negrxs, (sobretudo de pele escura e longe dos traços e características europeias e maioritariamente aceites socialmente) e os colocarem na pele de personagens que geralmente não são ocupados por pessoas de pele negra. Talvez para alguns de vocês não faça sentido, mas para uma criança representatividade é muito importante para o desenvolvimento da sua autoestima e da sua autoconfiança, e isso foi uma coisa que eu não tive. Sempre consumi filmes, séries, quadrinhos/BD's entre outros, onde a maioria era branca de cabelos lisos, o que por muitas vezes e por muitos anos contribuiu para que eu quisesse ser diferente do que sou.



Mas ontem senti um enorme orgulho em ver um trabalho tão incrível. Sem dúvida um dos melhores filmes que já vi! Não nos deixemos ficar por aqui. Espero que no futuro sejam lançados mais filmes assim, cheios de black power, porque nós somos MUITO mais do que todos esses estereótipos que nos impõem.

Já foram ver Black Panther? Pretendem ir ver? O que acharam?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...